Alteração de visão na gravidez  - RASTREIO OCULAR


Anterior Seguinte

 

A miopia
A diabetes
O tipo de parto
Olhe pelos seus olhos
O que pode acontecer
Alterações mais habituais

A miopia

[Topo]

Esta anomalia, tão vulgar, acontece devido ao incrível aumento de estrógenos durante a gestação.
Estes, actuam sobre os vários tecidos do corpo da mulher e, como seria de esperar, os olhos também sofrem alterações. Neste caso, a membrana que funciona como primeira lente, no corpo humano – a córnea – aumenta em termos de espessura e sensibilidade, tornando o uso de lentes de contacto mais complicado no início da gravidez e insuportável a partir do sétimo mês.

Esta alteração é originada pelas características da lágrima que o olho segrega (diminuição da quantidade e qualidade). A utilização da lágrima artificial é, regra geral, pouco eficaz, pois rapidamente os olhos secam e o problema regressa.

Entre a 31ª e a 40ª semana de gravidez, a gestante poderá notar que a visão ao longe está a diminuir, mas, dois meses após o parto sentirá que a recuperou. O cristalino, a “lente” utilizada pelo nosso olho para focar um objecto quando o observamos, também pode sofrer alterações similares. Esta “lente” elástica e transparente pode modificar a sua curvatura e assim focar um objecto que se encontre mais perto ou mais longe da nossa vista. Se a futura mãe sofre de algum edema, notará algumas alterações na focagem de um objecto que se encontre mais perto.

A diabetes

[Topo]

As futuras mães que têm os níveis de açúcar normais antes da gravidez, e sofrem apenas da diabetes gestacional, em geral, não sofrem qualquer problema de visão. As grávidas que sofrem da diabetes, antes da concepção, devem ser clinicamente mais acompanhadas devido à sua doença crónica, pois esta doença poderá vir a provocar a ruptura de algum vaso sanguíneo que drena a retina. Também a retinopatia diabética deteriora bastante, durante a gravidez, podendo os pacientes desenvolver maculopatias ou alterações proliferativas. Quando o parto é induzido a acuidade aumenta mas, 8 semanas pós-parto, esta desce espontaneamente.

O tipo de parto

[Topo]

Porque falar de tipos de parto num artigo relacionado com os olhos?
Muito embora possa parecer estranho, a verdade é que existem problemas de visão que estão relacionados com a técnica de parto realizada. Consoante o nível de miopia – baixa (< de 5 dioptrias), média (entre 5 e 10 dioptrias) e alta (> de 10 dioptrias) – os médicos podem optar por diferentes tipos de parto.
Quando o número de dioptrias é superior a 10 – miopia alta – há uma degeneração dos tecidos da retina e o esforço no parto vaginal – mesmo com anestesia epidural - pode provocar o seu desprendimento. Nestes casos aconselha-se uma cesariana.
Se a futura mãe pretende um parto normal, mas verifica que está com perda de visão, deverá dirigir-se a um especialista para que este lhe faça um exame ao fundo do olho e verifique a possibilidade de, no caso de ter algum problema, tratar com laser as lesões que existam. Este exame/tratamento é indolor e o máximo que pode acontecer é sentir uma pequena irritação devido ao colírio utilizado para dilatar a pupila. No caso deste tratamento não resultar, tanto o oftalmologista como o obstetra recomendarão a cesariana.

Aconteça o que acontecer, lembre-se sempre que deverá olhar pelos seus olhos e não esquecer uma visita ao seu oftalmologista antes de pensar numa futura gravidez.

Olhe pelos seus olhos

[Topo]

Durante a gravidez, dão-se alterações hormonais muito intensas que podem afectar a mulher não só psicologicamente como também fisicamente. Como tal, é necessário que se realizem exames para que se conheça o verdadeiro estado de saúde da gestante ou, da futura gestante.
Assim como deve realizar testes de sangue ou ir ao dentista, deverá também verificar em que estado está a sua visão.
Poucos se apercebem de que um órgão tão importante para nós é, por vezes, esquecido.

O que pode acontecer

[Topo]

Poucas são as grávidas ou futuras grávidas que imaginam que durante a gestação há alterações que podem afectar a sua capacidade visual e, se em muitos casos podem desaparecer após o nascimento da criança, também existem outros em que vêm a necessitar de tratamento após o parto.
Problemas como a alteração do campo visual, a miopia e o astigmatismo ou, até mesmo, a hipótese de mudar o tipo de parto, podem surgir se não efectuarmos testes oftalmológicos. Não devemos esquecer também problemas como a hipertensão e a diabetes gestacional.

Entre as alterações mais habituais podemos destacar:

[Topo]

  • Alteração do campo visual. Também conhecida como “hemianopsia bi-temporal”, pode ocorrer em qualquer momento da gravidez, embora seja mais vulgar no último trimestre. É uma pequena alteração e geralmente desaparece após o parto.
    Deve-se ao aumento da glândula da hipófise (responsável pela secreção do leite materno). Como esta glândula aumenta o seu tamanho, o campo visual sofre uma redução.
    Assim, com o nascimento do bebé, esta glândula diminui o seu tamanho e a visão lateral é recuperada.
    Para testar este problema, estenda os braços na horizontal, coloque os polegares em frente aos olhos e fixe-os. Mova os braços para um dos lados sem desviar o olhar e pare quando deixar de ver os dedos.
    Experimente de novo, para o outro lado. Lembre-se que os braços devem encontrar-se em posição paralela.
     

  • Hipertensão arterial. Para as mulheres que sofrem desta alteração é aconselhável fazer exames ao fundo do olho com frequência. Este, é como uma janela para o organismo e muitos dos danos provocados na retina levam a tratamentos dolorosos. Se a tensão arterial é alta e não está a ser vigiada e controlada clinicamente pode levar a inúmeros problemas.
    No caso da visão, pode surgir um processo de hipertensão ocular que leve ao rompimento de um vaso sanguíneo na retina. Uma situação penosa e complicada. Recomenda-se pois, que deverá consultar de imediato um especialista caso tenha uma perda brusca da visão, se lhe surgir um derrame na vista ou começar a ter dupla imagem (como quando a televisão tem “fantasmas” por estar mal sintonizada).

(A responsabilidade editorial e científica desta informação é da Revista Mãe ideal, ed. 02 - Visão)


[Anterior] [Seguinte] [Topo]